Primeiro Ouro do Brasil vem do Surfe e Ítalo Ferreira é o nome dele.

 Primeiro Ouro do Brasil vem do Surfe e Ítalo Ferreira é o nome dele.

Foto: Jonne Roriz/Jonne Roriz/COB

Italo Ferreira fez história e se tornou o primeiro medalhista de ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio ao vencer o japonês Kanoa Igarashi na decisão do surfe, na madrugada desta terça-feira. Com isso, o surfista também é o 31º atleta brasileiro a ficar no lugar mais alto do pódio pelo país na história olímpica.

Logo na primeira manobra que tentou, Italo quebrou a prancha e teve que pegar uma nova. Nos primeiros minutos de prova, Kanoa Igarashi abriu vantagem com 4,50 contra 1,70 do brasileiro. Mas o potiguar não deixou barato e, logo na onda seguinte, teve nota 7,00, antes de obter 8,7, colocando a pressão no japonês.

Antes de o adversário tentar outra manobra, Ítalo pegou nova onda e somou mais 5,50 de nota, com 12,50 no geral contra 5,60 de Igarashi. Faltando pouco mais de 18 minutos para o fim da prova, Ítalo tentou uma manobra, mas não teve nota suficiente para trocar o 5,50 que havia recebido na última.

Igarashi não conseguiu encontrar boas ondas, ao contrário de Ítalo, que aos 15 minutos fez outra boa manobra e teve nota de 7,70, somando 14,77 no geral. Nos últimos 10 minutos, Kanoa tentou algumas ondas, mas sem sucesso nas ondas, aumentando a nota apenas para 6,6O. Nos últimos minutos, Ítalo abriu ainda mais a vantagem para 15,14 e deixou o relógio correr para comemorar o primeiro ouro do Brasil nas Olimpíadas.

O ouro no surfe feminino ficou com a havaiana Carissa Moore, que representou os Estados Unidos em Tóquio. Ela dominou rival a sul-africana Bianca Buitendag e levou a melhor por 14,93 a 8,46, para se tornar a primeira campeã olímpica de surfe da história.

Saber retribuir é preciso

Ao ser entrevistado após o título, Ítalo lembrou da correria que viveu quando o surfe ainda não era uma realidade na sua vida. Para participar de campeonatos, ele pedia dinheiro em hotéis e pousadas para completar a ajuda que seus pais lhe davam.

Ao ganhar seus primeiros prêmios, tentou retribuir o apoio de Luisinho, pescador, e Katiana, funcionária de uma pousada, e comprou pra eles uma casa. Também lembrou da sua vó, Mariquinha, que morreu enquanto ele surfava no Havaí.

“Não consegui me despedir dela. Sempre que eu ganhava um troféu, eu ia ao quarto dela mostrar. Quando chegar no Brasil, vou fazer o mesmo”, afirmou o campeão.

Eu queria que minha avó tivesse viva pra ver isso. Ver o que me tornei, ver o que consegui fazer pelos meus pais, por aqueles que estão ao meu redor. Não tenho palavras. Está aí, meu nome na história do surfe.”

Notícias Relacionadas