Conta de luz mais cara. Aneel aprova aumento de 52% na taxa extra da conta de luz à partir de julho

 Conta de luz mais cara. Aneel aprova aumento de 52% na taxa extra da conta de luz à partir de julho

Foto: Prefeitura de Bom Despacho/Divulgação

Consumidores já estão pagando bandeira vermelha dois, a mais cara, devido à crise hídrica. Com o aumento, taxa cobrada a cada 100 quilowatts consumidos por hora passa de R$ 6,24 para R$ 9,49. Aumento final para o consumidor pode chegar à 5%.

A Agência Nacional de Energia Elétrica anunciou ontem (terça-feira, 29) reajuste nos valores das bandeiras tarifárias válidos para todo o país.

Na reunião realizada pela Agência, foi aprovado novos valores para as bandeiras tarifárias, que são uma taxa a mais cobrada de todos os consumidores quando o custo para gerar energia sobe.

A bandeira verde não gera cobrança extra. As taxas vão aumentando com as bandeiras amarela e vermelha, que é dividida em patamar um e dois. A bandeira vermelha dois, a mais cara e a que está em vigor hoje, vai subir de R$ 6,24 para R$ 9,49 para cada 100 quilowatts consumidos por hora, um aumento de 52%.

O reajuste contrariou a área técnica da agência, que havia recomendado uma alta ainda maior na bandeira vermelha dois, para R$ 11,50. Na reunião, os diretores da Aneel decidiram abrir uma consulta pública no próximo mês para discutir mudanças na metodologia de cálculo das bandeiras tarifárias e, possivelmente, reajustar os valores.

Segundo a Aneel, a nova bandeira vermelha dois vai aumentar as contas de luz em quase 5% em média e a tendência é que a cobrança dessa bandeira seja mantida até novembro.

Crise Hídrica é a principal responsável pelo aumento.

O aumento da conta de luz se deve à grande crise hídrica que o país enfrenta. De acordo com levantamento feito pela Aneel, o cenário dos recursos hídricos é desafiador: a seca que atinge os reservatórios das hidrelétricas é a maior dos últimos 91 anos. Com isso, é preciso aumentar a geração de energia das termelétricas, que usam a queima de combustíveis, e têm um custo maior.

E ainda por conta dessa falta de recursos, a conta de luz pode voltar a ter novas alterações ainda neste ano.

Para tentar evitar novos aumentos, o Governo Federal junto com o Ministério de Minas e Energia pretendem intensificar as campanhas de conscientização à economia de energia, que já estão em vigor desde junho, após os primeiros indícios da crise elétrica começarem a ser apontados pela Aneel.

Fonte:
G1

Jeferson Almeida

Notícias Relacionadas